Laboratório e Consultoria São Carlos

Laboratório e Consultoria São Carlos
Tanatopraxia Somatoconservação e Produtos

ANEF

ANEF
Associação Nacional de Empresas Funerárias

sexta-feira, 11 de março de 2011

Tanatopraxia – Licenças para procedimentos

Fonte: RAC.com.br e Colega Luis Otavio
Corpos são profanados em cemitério de Campinas
Alunos em treinamento de Tanatopraxia utilizam mortos recentes sem conhecimento das famílias
Corpos que passam pelo necrotério do Cemitério Nossa Senhora da Conceição, nos Amarais, em Campinas, têm servido como objetos de estudo num curso particular de tanatopraxia sem que seus parentes sejam sequer informados sobre isso. O aprendizado da técnica de higienização e conservação dos corpos para serem velados ou transportados por mais tempo tem turmas de até 16 alunos, a maior parte de funcionários de funerárias da região, que desembolsam R$ 1.987,00 de matrícula cada um.
Nas aulas práticas, os mortos, que deveriam estar ali só pra ser necropsiados, preparados e enviados pros velórios, são abertos e manipulados por todos os alunos, o que também atrasa em até quatro horas a liberação dos corpos à família. As informações foram obtidas pela reportagem após 3 semanas de investigações, com auxílio de servidores da Setec. Numa edição do curso, até 15 corpos podem ser usados.

Fiz curso de Tanatopraxia através da parceria existente com as Universidade UNESP – Botucatu e da Universidade de Ciências Médicas de Belo Horizonte.

Na modalidade de extensão Universitária, as aulas se deram da seguinte forma, na primeira – UNESP, o curso se deu no Sedetec, em Campinas – SP, coordenado pelo CTAF, vinculado a ABREDIF e Tanatus, já o segundo organizado pela Protanatus, com certificação pela Universidade de Ciências médicas de BH, e ocorre dentro de empresas funerárias nas cidades de BH ou Curitiba conforme o local do curso.

A primeira orientação, passada para os alunos, é relativa à autorização dos procedimentos de Tanatopraxia, ou seja, que nenhum corpo pode entrar no laboratório sem a devida autorização assinada pelo familiar responsável pelo serviço fúnebre, com cópia da declaração de óbito/certidão de óbito na empresa.

O fato de não ser feito o curso na instituição de Ensino - Universidade já deixa margem para questionamentos, mesmo se tratando de extensão universitária, por ser tratar de curso técnico pratico, diferente de cursos teóricos que podem ser até mesmo EAD – Ensino a Distância. Mas esta é uma discução para o futuro, a forma adequada da formação dos profissionais.

Muito se estranha que os ensinamentos passados aos alunos não sejam aplicados por parte dos organizadores do curso, ainda mais se tratando de doação de serviço que irá garantir profilaxia interna e externa do corpo, que na maior parte das vezes, as família não optam, por falta de recurso financeiro.

Os benefícios da Tanatopraxia são indiscutíveis, contudo, isto não basta, para que não seja observado os protocolos de cuidados e autorizações.

A matéria trata de profanação dos corpos, podemos falar até mesmo em vilipendio – mesmo que não haja desrespeito do ponto de vista técnico, mas se declarado, pode ser considerado contravenção penal ou crime, dependendo do enquadramento ou da condenação, que não pode ser permitido que ocorra, para que não se perca todo o trabalho realizado desde 1994 no Brasil.

Quem ensina deve dar o exemplo, pois destes formadores é que depende a correta inserção no mercado de trabalho de profissionais capacitados, comprometidos e cumpridores dos deveres.

Acredito que haja algum mau entendido, pois conheço bem os responsáveis do curso e sei de sua seriedade, mas não custa ficarmos atento, Tanatopraxia é mais que apenas um negócio.

Há muito que se evoluir, discutir, saber que ninguém é dono da verdade.

Saúde e Paz

Paulo Coelho






















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Leitor, sua opinião é fundamental para o aprimoramento do nosso blog, sinta-se a vontade para opinar, sugereir, questionar, criticar e até mesmo elogiar. Participe...contribua.